A frequência assídua a bibliotecas traz amplos benefícios à formação, por isso, deveria  ser aspecto mais valorizado nos currículos escolares.

A realidade é oposta. Subutilizamos as bibliotecas como meio capaz de fornecer um lastro de saberes que faz diferença no tipo de pessoa que queremos nos tornar.

Quando vamos a uma biblioteca, podemos acessar um universo de informações, experiências e mentalidades que será tanto melhor aproveitado, se adotarmos um regime de visitas sistemático. (mais…)

As atividades humanas pedem cada vez mais conhecimento. Tal realidade impõe maciça necessidade de constante atualização

Estamos mergulhados num universo (caótico?) de informações. Há um número infindável de livros, sites e publicações,além de toda a gama de conhecimentos não sistematizados.

Esse cenário faz do planejamento, uma prática cada vez mais indispensável aos distintos segmentos da ação humana e põe a gestão pessoal do conhecimento entre as atividades mais essenciais aos esforços pessoais e coletivos de formação profissional.

Se conversássemos com os leitores mais assíduos, perceberíamos que eles costumam seguir um itinerário de leituras.

Eles sabem de que leituras precisam. Muitos fazem planilhas para planejamento e controle de estudos e leituras. Mas de forma geral, a maioria dos grandes leitores têm uma pauta mínima sobre o que precisam ler em determinado período.

Uma pauta de leitura é uma relação previamente elaborada dos livros e textos (em ambiente físico ou virtual) que, na visão do próprio leitor, devem ser lidos em certo espaço de tempo, conforme fins e critérios definidos.

O leitor pode estar buscando aprendizagem especializada, formação geral, amadurecimento intelectual ou apreciação estética. Independente dos objetivos é impossível alcançá-los, prescindindo de uma jornada de leituras.

Outro aspecto que impõe a necessidade da definição prévia de um roteiro pessoal de leituras é a enorme variedade de lançamentos editoriais e o aumento da oferta de livros, seja em livrarias, sites de e-books, seja por meio de bibliotecas públicas, acadêmicas e sebos.

Algumas atividades exigem mais planejamento de leituras a realizar do que outras.

Exemplos? Os especialistas, cujas atividades profissionais exigem o acúmulo e sistematização contínua de informações em determinada área, costumam planejar com atenção e seguir um cronograma do que precisam ler. Na maioria dos casos, são leituras de cunho técnico-profissional que se confundem com atividades de estudo.

Outro grupo que precisa definir um percurso de leituras a realizar, conforme seus fins e estilos literários são os escritores. Ninguém pensa no vazio. Quem escreve precisa de um background de conhecimentos que o torne apto a explorar diferentes assuntos e hábil na forma de abordá-los.

Além desses fatores, há outro que evidencia a relevância de planejar o que se vai ler. A leitura é uma interlocução. Ao ler, tomamos conhecimento de ideias do autor (uma ideia puxa outra) que o remete a outros autores, ideias, livros e interesses. E esta cadeia só aumenta na medida em que nos tornamos leitores mais assíduos.

Um exemplo? Quem leu a Eneida, do poeta Virgílio, possivelmente vai querer ler A Morte de Virgílio, de Hermann Broch.

Planejar leituras, entretanto, é um método de gestão do conhecimento e não uma escravidão. O leitor é sempre livre para estabelecer o que vai ler e até se vai ler algo ou não. Por tudo isso, uma pauta de leitura não deve ser fixa e imutável. É importante ir acrescentando ou cortando títulos.

Somente, assim, o planejamento será fiel ao itinerário de leituras que se precisa realizar e não constituirá um sacrifício. Acredito que quando enxergamos o ato de ler como dolorosa obrigação precisamos repensar sobre o que ele representa para nós.

Afinal, a leitura é atividade de libertação. Se alguém se sente escravizado por uma pauta rígida  de leituras é só lembrar que a rebelião é sempre possível. Afinal, rebelar-se contra regras que nos aprisionam é o mais digno exercício de autonomia. E Nietzsche já dizia: ‘A nobreza do escravo é a rebelião’.

Mas, a rebelião do leitor já é assunto para outro ensaio.

Algumas perguntas são recorrentes nas entrevistas a escritores: ‘Qual o livro mais marcante’? ‘Que livro teve maior influência no seu estilo’? Que livro você recomendaria para quem deseja se tornar escritor?

Se examinarmos a memória dessas conversas, perceberemos que as respostas dos escritores, para esse tipo de questão, quase nunca são fluídas ou espontâneas. Há certa pausa; os entrevistados ou não respondem ou o fazem de forma reticente e esquiva.

Por que será? (mais…)

 

Obra de Annick Bouvattier
A leitura desnuda o que ignoramos.

Quem nunca ouviu essa pergunta?

O motivo em torno da curiosidade sobre preferências de leitores é que os hábitos de quem lê dá indícios valiosos sobre quem ele é: ideias, preferências, curiosidades. Há mesmo quem diga que a leitura revela traços de personalidade.

De fato, quando respondemos sobre preferências pessoais, utilizamos critérios particulares do que seja um livro que deixe um registro duradouro na memória afetiva.

Nesse sentido, os livros de cabeceira revelam, realmente, aspectos singulares de quem os prefere.

Mas, o que é um livro de cabeceira? (mais…)