Leitura. Eis um assunto cuja anunciação pode produzir atração ou repulsa.

Aos leitores devotados, tudo o que se refere a livros é valioso e digno de atenção. Às vezes, até de adoração. Já, para quem não percebe sentido no ato de ler. Para eles, ler é quase um sacrifício.

E que motivos nos dividem, de forma tão marcante, quanto ao gosto pela leitura, entre leitores e não-leitores?

Se enxergarmos a leitura como o ato mecânico de decifrar sinais, a resposta é simples: ler exige concentração de esforço e foco. Nos faz permanecer em posição corporal fixa. Além disso, ler força-nos a pensar de forma mais ordenada e elaborada. Outro aspecto a considerar é que um mesmo texto não produz a mesma reação. Os hábitos e o nível de compreensão vai produzir expectativas e julgamentos diferentes entre os leitores.

Além dos desafios clássicos, a formação de leitores sofre os efeitos da cibercultura: o livro é um suporte sem os apelos de sonoridade e movimento, mas disputa espaço com textos de suportes eletrônicos capazes de proporcionar múltiplos estímulos ao leitor. Mas, se ampliarmos nosso olhar, identificaremos a leitura como apropriação do mundo, seja cultural, estética ou espiritual e então é mais  difícil compreender a razão da dificuldade na formação de mais e mais regulares leitores.

Ler é recomeçar. Clarice Lispector dizia que a leitura tem sentido inaugural. Ela tinha razão. No ato de ler há sempre um  descerrar de véus para o que antes parecia destituído de significados. O erudito  francês  Michel de Certeau afirmava que ‘O leitor é um caçador que percorre terras alheias’. E a leitura é realmente desbravamento. Seja ela de natureza técnica ou ficcional.

Toda leitura encerra um quê de invasão e mistério. O que se esconde ao final da página? E do capítulo? E o mais incrível é que quando desvelamos a informação que estava lá, esperando para ser lida, descobrimos, também, que o mundo já não é mais o mesmo. A realidade surge com nuances que antes não eram percebidas.

Ler é uma das formas mais rápidas e eficazes de mudarmos a nós e à realidade. Cada vez que fechamos um livro pela última vez, nos despedimos de quem éramos quando o abrimos.  A cada livro lido somos alguém com mais filtros para pensar a realidade e mais perspectivas para colorir o mundo.

Mas, fazer exortações sobre a essencialidade da leitura pode não ser muito eficaz para  demonstrar que todo esforço de crescimento pessoal e profissional não pode prescindir de um programa de leituras regulares e pertinentes.  As pessoas  gostam de realizar atividades que  lhes tragam benefícios palpáveis e se possível, imediatos. Por isso, geralmente, quando se convida alguém para incrementar seus hábitos de leitura, ouvimos argumentos que  trazem implícita a seguinte pergunta:

E o que a leitura pode fazer por mim?

Sem pretensão de trazer respostas prontas, vamos refletir sobre esses benefícios?

As  faculdades desenvolvidas  na leitura são transferíveis. Isso significa que quando lê, você aprimora habilidades que serão utilizadas em outras áreas de atuação: a organização de ideias tende a ficar mais elaborada, a comunicação torna-se expressiva e há maior consistência ao argumentar. A criticidade  expressa-se de forma pertinente.  E todas essas competências não são valiosas em qualquer área de atuação ou convivência?

É importante lembrar que o bom estudante e o grande leitor têm benefícios intercambiáveis. Uma pessoa que lê regularmente tende a ter maior facilidade para compreender e fixar de forma mais eficaz e com menos esforço o que estuda. A leitura convida ao estudo. Um bom caminho para formar bons estudantes é começar formando pequenos leitores. Lendo, vamos aprendendo a noção de esforço sem ansiedades e tiramos da solidão e  do silêncio, a concentração e não, necessariamente, o tédio .

A despeito de todos os benefícios práticos da leitura, talvez seja sua dimensão estética, como ação sensível e de prazer que dê grandeza ao ato de ler. E o que nos faz viver a leitura como experiência de sensibilidade e descoberta de nós e do mundo é a forma como compreendemos seu alcance para transformar-nos em alguém maior do que somos.  Acredito que a leitura  funcione como aquelas palavras mágicas pronunciadas pelos super-heróis para se revestirem de poderes  super-humanos.

Nada de espadas, capas, anéis mágicos ou palavras proféticas. Sabe o que nos iça e nos confere capacidade de compreender e usufruir a realidade, o mundo e o que somos? O livro.

Relatos de infância, mostram que personalidades humanas notáveis descobriram o poder mágico dos livros muito precocemente. No conto: Felicidade Clandestina, Clarice Lispector refere-se ao livro Reinações de Narizinho ‘como um livro pra ficar vivendo com ele, comendo-o, dormindo-o’. Para ela um livro é o amor pelo mundo. Jean Paul Sartre conta que menino, vagabundeava pela biblioteca de seu avô e “dava assalto à sabedoria humana. Foi ela (a biblioteca) quem me fez’.

A  leitura não substitui as experiências humanas capazes de forjar nosso espírito e caráter, mas é experiência de  apropriação da compreensão ampla da realidade. O ato de ler é como o abrir de portais para mundos de significados e possibilidades.

No livro  A menina que roubava livros, uma pequena judia utiliza livros como mapas para guiar sua existência numa Alemanha infectada pelo nazismo. A sede de conhecimento deu propósito à sua vida marcada pela fome e por interrogações inatingíveis para uma criança. De certa forma, os que apreendem o sentido da leitura são movidos pelo mesmo propósito, descobrir significados, desvendar os mapas da condição humana nos mundos que criamos.

Obra de Iman Malek
O que as suas palavras refletem?

Você já pensou nas palavras que diz e escuta todos os dias?

É sempre útil pensar sobre isso, pois, entre nós e nossas metas estão as palavras.

Aprender a manejá-las, portanto, pode poupar caminho no percurso que nos levará aonde precisamos chegar.

É fato. O homem não prescinde do uso de palavras. Ditas, escritas ou representadas por sinais e gestos, elas nos pronunciam diante do mundo e nos incluem no jogo de influências indispensável às trocas humanas.

Incontáveis vezes, escutamos o seguinte pedido: ‘Por favor, me deixa vender meu peixe?’. A razão dessa frequência é que (mais…)

A metamorfose de Narciso
O que pensamos ser? O que somos?

O mundo é um palco.

Você já deve ter ouvido essa expressão tão popular.

Repetida em rodas de conversas, ela traduz a visão de senso comum sobre como expressamos nossa personalidade nos papéis sociais assumidos.

Quando falamos em papéis, nos referimos ao conjunto de expectativas sociais que os grupos nos atribuem, quanto a condutas que precisamos ter para adequação às necessidades grupais.

O impacto dessas condutas na sociabilidade tem sido objeto constante no estudo de psicólogos e cientistas sociais. E a razão disso é que adotar tais comportamentos define muito nossa história.

Erving Goffman, cientista social canadense, deu grande peso às implicações psicológicas e sociais da forma como agimos em sociedade. Ele chamava de ‘máscaras expressivas ou representações sociais’ aos atributos que assumimos para nos transformarmos em seres sociais. Segundo Goffman, apenas em momentos íntimos é que caem as máscaras expressivas do cotidiano.

Papéis e aceitação social são fenômenos quase inseparáveis. Os grupos esperam atuações distintas de seus membros e consideram notáveis, as que mais correspondem às maiores expectativas quanto às condutas valorizadas.

Por tais razões, dizemos que há certa pressão para nos conformarmos às expectativas sociais. Esse caráter de obrigatoriedade é tão evidente que, não raro, na busca de aprovação social, adotamos comportamento discrepante quanto à nossa identidade.

E a pressão não é acidental, pois é assumindo papéis que ultrapassamos a feição subjetiva intrínseca e nos projetamos na realidade. Eles permitem que entremos no jogo social sob diferentes formas.

Cada um como rica subjetividade atua de forma singular pela expressão de sua personalidade. Esse aspecto permite que nas trocas grupais, nos identifiquemos com os grupos aos quais pertencemos, sem perder essência.

A palavra personalidade é originada do termo ‘persona’. Expressão que dava nome às máscaras usadas no teatro grego do período clássico.

As máscaras escondiam o rosto do ator e o distanciavam de sua identidade real, permitindo que atuasse com maior fidelidade. No caso, o uso da máscara revelava o papel, mas disfarçava a identidade.

Mas e quando isso ocorre na vida social, quando para nos firmarmos como atores sociais, precisamos mascarar o que de fato somos?

Esse ponto constitui uma das principais questões humanas: até que ponto, as máscaras expressivas revelam identidades ou as falseiam em troca de prestígio social?

Realmente, para corresponder às expectativas como ator social definido, não raro, revestimo-nos de aparência e condutas incongruentes com valores e desejos pessoais.

Para fazer frente a tal dilema, é preciso estar consciente para não mergulhar no egocentrismo solitário, nem submeter-se à massificação esmagadora embutida nas armaduras simbólicas que a cultura de massa impõe.

Falsear a própria identidade é tornar-se uma não-pessoa. É assumir máscaras vazias – mordaças da subjetividade. ‘Personas’ que, longe de adornarem o que somos, são fachadas ocas que não nos refletem como atores únicos na dramaturgia humana.

É inegável: precisamos desempenhar papeis. Eles são moedas nas trocas sociais. Mas, é necessária a consciência do preço a pagar e de quanto essas moedas são autênticas ou são mentiras sociais que nos tornam impostores de nós mesmos. Dinheiro falsificado comprando um pouco de aceitação e prestígio social.

O que nos torna personalidades coerentes é assumir papéis de forma refletida e responsável, zelando pela  integridade do que nos torna sujeito social singular e lúcido.

Enfim, no teatro da vida, a questão não é aprisionar-se obstinadamente em si mesmo, é ser um ator honesto no drama que nos faz humanos.

O Sonho de Salvador Dali

Deformar-se  para conformar-se?

Às vezes, nos fechamos à leitura de certos livros...
Às vezes, nos fechamos à leitura de certos livros …

Quem nunca sentiu certo frio na barriga (ou seria nos olhos?) diante de uma prateleira na qual tenha se deparado com um ‘gigante’ da Literatura Universal?

Quem, numa biblioteca, jamais refreou a mão que se dirigia aos monumentos da Filosofia, num ataque súbito de insegurança, por receio de não ser um leitor à altura daquela obra?

Cada pessoa tem seus desejos e necessidades de estudos.

Entretanto, mesmo quando nos referimos à pauta pessoal de leitura, há dois fatos incontestáveis. Primeiro é que existem livros indispensáveis à nossa formação. Segundo, é impossível pensar em  aquisição do gosto pelo estudo que não passe pelo hábito de ler.

Então, dado o incontestável valor do estudo e da leitura para o nosso preparo, o  que nos leva, muitas vezes, a firmar resistência quando se trata da leitura de determinados livros?

A resposta à questão passa por um pensar mais detalhado sobre os fenômenos envoltos nessa resistência.

A cada um de nós, o livro se apresenta com atmosfera própria que lhe atribui certa aura. E é essa aura que nos leva a vê-lo como ímã  atraindo inexoravelmente a atenção ou como um ser detentor de sortilégio repulsivo, levando-nos a eliminá-lo como provável leitura.

E, talvez, seja pelo fato de essas resistências estarem ligadas a crenças, às vezes ilógicas, que para muitos de nós, é difícil se embrenhar nas páginas do livro ‘temido’.

E esse fenômeno é mais generalizado do que se pensa.

Não são poucos escritores, cientistas e até filósofos que relataram  resistência a certas obras. E pelo mesmo motivo. Eles atribuíam valor tão elevado às obras ou aos autores, que isso repercutia nas suas próprias crenças como pessoas capazes de  ‘dar conta’ da leitura.

O fato é que essas obras lhes pareciam intransponíveis. Seja pelo valor do autor; seja pelo volume de páginas; ou pela complexidade do conteúdo ou  textura  elaborada de sua redação.

E não há um tipo específico de livro que possa ser classificado como sendo ‘intransponível’. Contudo, os livros clássicos nas áreas de ciência, literatura e filosofia costumam ser os mais atingidos pelo fenômeno. A própria denominação ‘clássico’ traz um peso.

Trazendo exemplos dos efeitos desse fenômeno à nossa formação profissional, é possível constatar que: há advogados que jamais leram Montesquieu; psicólogos e psiquiatras que deixaram os volumes da coleção de Freud comendo poeira na estante; professores que nunca ‘ousaram’ ler as obras de Paulo Freire e Piaget; teólogos que ‘exorcizaram’ (desculpe o trocadilho infame) a leitura dos próprios livros religiosos e, até cientistas políticos que cassaram obras como A República (Platão) ou o Leviatã (Hobbes)  de seus regimes de estudo.

Os exemplos acima, apesar de arbitrários, podem se encaixar na realidade de muitos profissionais que, vítimas desse ‘temor’, deixam leituras obrigatórias à margem de seu processo formativo.

E qual seria o antídoto para esse fenômeno?

O fato é que não há panaceias. Mas, é possível deixar de lado o receio das dificuldades de compreensão e adotar disposição de ânimo curiosa e firme para virar a chave da mudança de hábitos. Só assim será possível, por mãos à obra na caça ao tesouro do saber. 

Algumas dicas podem ajudar.

Preferir edições que tragam elementos de contextualização da obra e do autor: apresentação, prefácio, notas explicativas. E iniciar a leitura, sempre, por esses elementos.

Ter em mãos (ou às vistas) bons dicionários.

Se possível, convidar um parceiro de leitura ou ler sob a supervisão de alguém que possa elucidar pensamentos mais complexos ou fazer uma exegese da obra.

Na continuidade, é desvendar segredos, extrair preciosidades e crescer na capacidade de leitura. Depois da primeira vez, se necessário, leia novamente. Alguns autores e obras existem para serem relidos.

Mas, nada se compara à primeira vez. Ela tem gosto de mistério e descoberta.

A leitura dá as asas que tornam o livro um anjo com missão própria.

Uma lista para a pauta... livros para a pauta …

Quando interrogados sobre os livros prediletos, é comum revelarmos a lista que deixará no ouvinte, a melhor impressão quanto ao nível da qualidade de nossas escolhas como leitor. A situação é similar ao processo de divulgação de fotos pessoais, escolhemos as que  revelam os melhores ângulos.

Não há nada de errado quanto às duas situações. Em relação aos livros, apenas vamos passar uma imagem um pouco incompleta quanto ao tipo de leitura que realizamos. Mas, é uma questão pessoal.

O próprio Freud admitiu que a lista que forneceu como sendo de seus livros favoritos, na realidade, era composta por autores que ele considerava esplêndidos, mas não continha, necessariamente, as obras que lhe deixaram as mais fortes lembranças.

Ainda segundo o psicanalista vienense, se partisse do critério da agradabilidade, talvez aquela relação fosse alterada para incluir Emile Zola, Gomperz e Mark Twain, além de outros. Fica evidente que Freud não tinha muito do que lamentar da qualidade de sua lista, digamos ‘secreta’.

Mas, para os ‘simples mortais comedores de letras’ como eu, a história não é bem assim. Admito que quando sabatinada sobre preferências, também sou  seletiva. Costumo declarar as leituras às quais atribuo alto valor literário, grande poder informativo ou pelo inestimável valor humano do seu conteúdo.

Percebo que na lista não aparecem livros que me arrebataram pelo tipo de leitura fácil e prazerosa. Talvez devido a certa responsabilidade quanto às influências que posso imprimir nos outros, excluo, até injustamente, algumas experiências de leitura.

Assim, muitas vezes, deixo de declarar o quanto senti prazer, por exemplo, ao ler: O Perfume  de Patrick Suskind; A Cidadela de autoria de A. J. Cronin; O Vale das Bonecas de Jackeline Susann; Servidão Humana de Somerset Maugham, A Boa Terra de Pearl S. Buck e Pássaros Feridos de Colleen McCullough, entre outros inesquecíveis pela forma que prenderam minha atenção, sem esforço e com muito prazer.

Esses títulos, realmente, produziram em mim, grande arrebatamento e fluxo confortável de leitura. Puro deleite de leitor que buscava apenas, momentos de evasão.

O que motivou essa reflexão é certa inquietação que sinto quanto à estreiteza de critérios, na seleção de leituras, que muitas vezes impomos a nós e aos outros. Mas, o valor da leitura, não está apenas no livro em si, está também nas emoções e impressões que nos provoca.

Por isso, mesmo quando nossa pauta de leitura estiver atrasada ou com grandes lacunas, não devemos nos privar de, de vez em quando, nos lambuzarmos com uma leitura deliciosa que faça tremer a alma, sorrir da graça solta ou nos deixe bisbilhotar uma história frívola sem muito peso dramático ou valor literário.

É como pegar uma panela de deliciosos brigadeiros e, de vez em quando, fugir da dieta de pão integral e hortaliças. Vale a pena abandonar a atenção ao ímã dessas leituras. Deixar-se levar por obras que proporcionam momentos de  intimidade com  autores que adoram seduzir e inebriar.

Victoria de Henri Fantin-Latour Livros para as pausas…