Sendo em novembro, o dia dedicado aos finados, é quase impossível, neste mês, não consumir algum tempo, pensando na finitude humana.

E quando pensamos nessa finitude, é inevitável pensar no cemitério como um lugar triste que só suscita sentimentos de perda e desligamento. Mas se ampliarmos o olhar, veremos que esses lugares também podem propiciar reflexões com potencial de elevação e rejuvenescimento de esperanças.

De fato, o cemitério é o lugar de chorar e lamentar perdas, então é difícil não sentir  certo aniquilamento de expectativas de realização; mas por contraditório que possa parecer, é possível ir a um cemitério nas homenagens a entes queridos, e ver que, estando vivos e pulsantes, somos portadores de potencialidades das quais muitas vezes, nem temos consciência. (mais…)

The_Lady_and_the_unicorn_Desire
Cada um tem um unicórnio escondido no baú de fantasias.

A realidade é a base mais sólida da existência. Ela é a plataforma na qual fincamos pés para construir uma vida feliz e realizada. Entretanto, apesar de termos de enfrentar a realidade, esta não se apresenta igual para todos.

Há quem viva uma vida tranquila. Há os que precisam vencer batalhas para sobreviver. Existem os que, mesmo sem preocupações materiais, enfrentam os sofrimentos das perdas; os que sofrem angústias e ansiedades originadas dos diferentes tipos de medos e, ainda, quem não vê perspectiva pessoal alguma.

O fato é que, independente de como está a vida de cada um, para todos nós, encarar a realidade é desafiador. E se nunca foi fácil para ninguém, hoje, com o avanço do tempo, viver tornou-se mais exigente.

Desde os primórdios, o homem buscou espaços de diversão para abrandar as pressões  da realidade. Os espaços de convivência coletiva: praças, casas de banho; os jogos, atividades e torneios ao ar livre eram muito procurados para essa finalidade.

Hoje, as pessoas se vêm cada vez mais compelidas ao lazer que cresce em importância. Elas percebem que é indispensável criar meios de ´suspensão’ da rotina para abstrair a carga de exigências que recai sobre elas.

A grande diferença das práticas de lazer da atualidade, pelo menos das mais procuradas, é o papel de destaque que ganham as atividades voltadas para a fantasia e para o caráter de evasão e fuga da realidade.

Parece contraditório, mas não é. Quanto mais a realidade nos arrasta para provas árduas, mais utilizamos válvulas de escape que nos levam ao mundo da irrealidade. Desse modo, é sintomático desse fenômeno, o crescimento das formas de lazer que proporcionam atmosfera mágica, fabulosa e distante do mundo real.

Esse fenômeno é uma defesa do psiquismo. Funciona como descompressão que ajuda a renovar energia psíquica para a volta à rotina de forma mais relaxada.

Nesse cenário, diversão e arte passam cada vez mais a ser territórios habitados por seres fictícios e extraordinários. Buscamos mundos imaginados repletos de unicórnios, vampiros, dragões, zumbis, fadas e magos.

O fantástico ou surreal passa a ser preferência nas temáticas da Literatura, do cinema e  dos jogos. Os hábitos de lazer se confundem com grandes debandadas para ilhas de fantasia.

Assim, entre as famílias e jovens são comuns: a imersão em maratonas de séries televisivas; as caravanas de viagens a lugares fabulosos; o mergulho na atmosfera de filmes fantásticos e o  consumo de objetos adornados com figuras míticas.

Dentre essas figuras míticas, não é por acaso, que o unicórnio faça tanto sucesso. Ele é um ser fabuloso e seu significado mais popular, é o de ter a virtude de fazer o impossível. Os chifres do unicórnio representam, exatamente, o poder de  domínio sobre todas as dificuldades.

E viver não é realizar diariamente o impossível?

Os unicórnios que vemos estampados em tantos objetos ou reproduzidos como brinquedos, adornos ou talismãs simbolizam, exatamente, o prazer trazido por esse escapismo para um mundo mágico que nos faz pensar que, como os seres míticos, somos capazes de realizar no mundo real, com unhas e dentes, as tarefas que nos cabem.

É assim. Somos seres reais dotados de potencial realizador, mas enfrentamos uma realidade que se apresenta de forma aguda. Daí termos a necessidade de mergulhar na irrealidade ou na pseudorrealidade para reforçar o sonho de que somos capazes de encarar a insanidade que é viver vinte e quatro horas pressionados pelas tarefas humanas.

Por tudo isso, é preciso cuidar muito bem do nosso unicórnio, ou seja, precisamos realmente sonhar, fantasiar, ter lazer, usufruir do belo e do sensível.

O único cuidado é não mergulhar e permanecer para sempre no mundo da irrealidade.

Quando vamos ao fantástico a passeio, o mundo da irrealidade nos inunda do belo e do sensível; nos abastece de sonhos. Mas, quando queremos morar lá, construímos um mundo de delírios e irrealizações que nos enfraquecem para lidar com o mundo real.

E não há saída. As fugas para a fantasia são fonte essencial de fortalecimento emocional, mas a matéria prima da realização é extraída do real.

Enfim, bom mesmo é morar no real e, de vez em quando, montar no nosso unicórnio e fantasiar por aí.

 

 

 

 

The-Memory of Fountain. Obra do artista mexicano Gabriel Pacheco.
O ato de presentear é fonte de troca afetiva.

Presentear é um ato milenar. Compõe o esforço de integração e convívio social do homem para firmar-se como ser capaz de estabelecer conexões humanas.

Entrega e presença são palavras que resumem o que está implícito nesse ato, uma vez que ao presentear, a entrega não se limita ao objeto em si. Entregamos carinho, apreço, consideração. Enfim, nos entregamos e fazemo-nos ‘presentes’.

E a origem etimológica da palavra ‘presente’ refere-se exatamente ao tempo presente. Dar um presente é querer materializar-se no aqui e agora e perdurar como presença afetiva diante de alguém. Dessa forma, presentear é um convite para conectar-se e reforçar laços. (mais…)

De onde vem nossa fortaleza interior?
De onde vem nossa fortaleza interior?

Quando nossos limites estão próximos da fronteira e as forças parecem esgotadas, de onde tiramos fortaleza de ânimo?

Nas situações críticas, sejam as exigências do trabalho, as delicadas solicitações do amor ou os momentos em que as decisões sinalizam ameaças, de onde vem a força que nos impulsiona?

O que nos leva a tocar o barco da existência com firmeza e esperança, ao invés de nos lançarmos ao próprio abandono ou à preguiça, quando as tarefas rotineiras parecem sacrificantes e sem sentido, seja por que estamos num dia ruim ou pela descrença no valor desses atos?

Nessas horas, cada pessoa tem suas próprias formas de buscar luz e força para  reacender a chama da disposição e responder aos desafios da existência. Algumas saídas são mais procuradas na busca de vigor e equilíbrio. Há o aconchego familiar, o amparo de amigos, a clarificação pela terapia, o cuidado mais acurado com a saúde, a dedicação primorosa ao trabalho ou o alento da religiosidade.

E, talvez, seja nesses momentos de busca do que nos fortalece, reconhecendo que  estamos enraizados em tudo o que nos rodeia, que vivenciamos com mais força a dimensão espiritual. A palavra espírito significa sopro. Então como vivenciamos a espiritualidade ou cultivamos o sopro que nos impele?

É costume confundir-se religiosidade com espiritualidade.

E é compreensível. A vivência da religiosidade é o aspecto que mais presentifica a consciência de que somos além do que somos. Contudo, a espiritualidade, como dimensão da existência humana pode ser mais ampla.

A espiritualidade se exercita na prática religiosa, mas também, se realiza quando apreciamos a arte; quando nos emocionamos  diante de um crepúsculo; nos momentos em que nos enternecemos com um sorriso de criança, quando nos transportamos ao sublime observando a natureza ou experimentamos um sentimento de conforto ao ouvirmos a cadência de uma prece. Tudo isso exemplifica movimentos de expansão; vivências que nos impelem para além.

Viver a espiritualidade é permitir-se a harmonia com o que existe e com o que sentimos a partir do que existe.

A espiritualidade é a capacidade de reconhecimento da impossibilidade da autossuficiência; é a consciência da profunda conexão entre nós e o que nos cerca. É a faculdade de entrar em contato com o todo e retirar daí os elementos que nos tornarão mais substantivos, capazes de seguir fortes e equilibrados.

Para o religioso, o sopro é a centelha divina e tudo o que advém da experiência mística; para o não religioso, pode ser a prática do cuidado ecológico, a solidariedade ou outras formas de demonstrar o profundo respeito ao mistério que ele credita às forças não divinas.

Contudo, todos esses movimentos evidenciam iniciativas do ser psicológico que somos, que nos lançam para além da noção mais pragmática da existência. Ajudando-nos a agir como seres capazes expandir-se como potência vocacionada ao crescimento.

No exercício religioso, temos as igrejas às quais nos ligamos para abrir caminhos para a força divina, conforme acreditamos. E de certa forma, quando fazemos isso, construímos uma igreja interior, erguemos pilares que sustentarão nosso espírito nos momentos de vulnerabilidade ou impulsionarão novas forças aos atos cotidianos.

Mas, no exercício da vivência espiritual, cada um constrói sua própria ‘catedral’.  Cada pessoa erige sua fortaleza interior, conforme seu desejo de transcendência e de acordo a fome de expansão da própria alma.

A espiritualidade não é, ela ‘está sendo’; é fonte de força, por isso é dinâmica. É busca contínua de expansão rumo ao infinito. E cada um sabe qual o mistério que o intriga, cada qual tem seu próprio encantamento diante do mistério;cada um sabe que cordas o sustentam para que possa caminhar com equilíbrio.

A vivência da espiritualidade reafirma os profundos respeito e zelo pela vida, pela natureza e pelo que conecta tudo isso ao projeto de cada um e ao propósito de todos.

O que fortalece nossas asas?
O que fortalece nossas asas?

Que o tempo seja feliz e que estejamos juntos com ele.
Iluminar o tempo vontade feliz

No ano que acaba de nascer, podemos desejar.

Que os amigos considerem a amizade um bem precioso e sejam leais a isso.

Que a saúde seja presença diária nos acolhendo a cada despertar.

Que o amor seja aliança de amparo e ternura.

Que a família, seja da forma que for e tiver, ninho de aconchego, respeito e cuidado.

Que o trabalho seja prática que nos traga satisfação e dignidade.

Que a fé, com ou sem religião, nos confirme como seres enraizados no infinito e, portanto, movidos pelos mistérios sublimes da espiritualidade.

Que mais do que dinheiro, nossas necessidades do corpo e da alma sejam atendidas com  respeito, justiça e equidade.

Enfim, feliz ano novo, feliz você feliz.

 Cultivar sentimentos que inspirem grandeza.

Iluminar o tempo com vontade nova.