Sendo em novembro, o dia dedicado aos finados, é quase impossível, neste mês, não consumir algum tempo, pensando na finitude humana.

E quando pensamos nessa finitude, é inevitável pensar no cemitério como um lugar triste que só suscita sentimentos de perda e desligamento. Mas se ampliarmos o olhar, veremos que esses lugares também podem propiciar reflexões com potencial de elevação e rejuvenescimento de esperanças.

De fato, o cemitério é o lugar de chorar e lamentar perdas, então é difícil não sentir  certo aniquilamento de expectativas de realização; mas por contraditório que possa parecer, é possível ir a um cemitério nas homenagens a entes queridos, e ver que, estando vivos e pulsantes, somos portadores de potencialidades das quais muitas vezes, nem temos consciência. (mais…)

 

Obra de Salvador Dali

Tem um grito dentro de mim que só cessa quando escrevo.

Ao escrever, sinto que atinjo minha alma em algo intocado. Alguma coisa que incomoda e lateja como uma velha cicatriz que reabre ao mais leve toque.

Foi bem cedo que percebi o clamor interno para a escrita. Meu mundo mágico era um universo de palavras. (mais…)