Os Desafios e Encantos dos Recomeços

Recomeçar para reencaminhar-se a si mesmo.

Todos nós, em algum momento, precisamos ou precisaremos recomeçar.

E os motivos para os recomeços são variados: o dinheiro acabou; a paciência se esgotou; o estilo de vida virou uma roupa apertada que já não serve; valores esquecidos precisam ser retomados; é urgente livrar-se do peso da opressão da opinião pública; limites foram ultrapassados; certezas estão abaladas.

Entretanto, é preciso dizer que a motivação para os recomeços nem sempre surge em horas de dolorosa luta interior ou situações de conflito externo.

Os recomeços também podem ser iniciativa de quem quer maior realização e felicidade e para tanto, busca transformações evolutivas nas próprias aspirações, no estilo de ação ou ainda no modo de relacionar-se.

Convém lembrar os recomeços forçados. O recomeço drástico dos fugitivos que precisam ocultar delitos e largam tudo, abdicando da própria história. Recomeço que é de fato, rota de fuga dos erros cometidos.

Aqui, no entanto, falamos de quem recomeça visando o crescimento pessoal e, portanto, não pode abrir mão da sua história (experiências, vínculos,  decepções e cicatrizes). Ao contrário, a história pessoal é a base que sustentará as decisões de transformação.

A história pessoal de cada um é repositório de referências, modelos e vínculos. Uma bússola que orienta decisões e escolhas. E esse é o ponto crucial dos recomeços que não são contínuos, retos e simples. Exigem rupturas ou cisões. E é aí que chegam os dilemas.

Esses dilemas são previstos, pois não é fácil romper com hábitos e condutas arraigadas. Romper com cadeias de pensamentos prejudiciais à eficiência. Alterar a configuração da teia pessoal de relações. Eliminar atitudes negativistas ou negacionistas que infeccionam o curso de ação e, muito importante, rever papeis familiares e profissionais.

E aí estão! O desafio e o encanto das reconfigurações de vida, próprias dos recomeços. O desafio são os dilemas entre romper ou não; o encanto está na possibilidade de reinaugurar aspectos sensíveis da nossa história.

Os que estão nessa empreitada de mudanças costumam perguntar: como superar o momento dilemático e iniciar o curso de ação?

Podemos comparar o momento inicial das transformações de vida com o que ocorre com o escritor diante de uma página em branco.

Para iniciar o texto, ele precisa achar a primeira palavra. Aquela capaz de desencadear a inspiração e puxar o fio das ideias que pairam no seu pensamento.

Ocorre que se o escritor ficar se debatendo para iniciar, vai se abater e não conseguirá escrever criativamente. Ele precisa agarrar-se às primeiras palavras para iniciar. No começo de tudo, o mais importante é iniciar. Só concebe um texto quem ousou iniciá-lo.

Do mesmo modo é a vida.

É começar e observar algumas condições. Recomeçar exige reflexão. Pede ponderar implicações em confronto com desejos. Requer planejamento ágil e, como vimos coragem para dar o primeiro passo.

Não esqueça que é você quem viverá as conquistas e arcará com o ônus. Então, antes de tudo, escute-se. Ouça seus sentimentos e considere sua intuição. É certo que será fundamental escutar as pessoas significativas, principalmente as que dividirão com você, os resultados das mudanças, mas não se deixe imobilizar pela opinião pública.

Recomeçar é ressignificar-se e à própria existência na luta para encaminhar-se para viver uma vida genuína com sentido e felicidade.

obra de donald zolan
A ‘simplicidade dos começos’

 

Posted In:

1 Comment

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s